Um dia após Criciúma, Cametá, no Pará, é aterrorizada por quadrilha de assalto a bancos

Por Jovem Pan em 02/12/2020 às 02:48:51

No início da madrugada desta quarta-feira, 2,Cametá, município a 300 km de Belém, no Pará, foi alvo de uma ação criminosa muito parecida com a que aconteceu na madrugada de ontem em Criciúma, Santa Catarina. A Secretaria de Segurança Pública do Estado do Pará (Segup) confirmou que bandidos fortemente armados com fuzis de grosso calibre sitiaram a cidade e assaltaram uma agência bancária. Muitos moradores foram feitos reféns, a maioria de um grupo que assistia ao jogo do Flamengo pela Copa Libertadores em uma praça do centro. Como na madrugada de pânico no Sul do país, vídeos da ação criminosa circularam pelas redes sociais. É possível ouvir tiros e bombas. Em uma gravação, um homem diz, chorando, que “eles bateram muito na gente”.

A Segup informou, pelas redes sociais, que equipes do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope), das Rondas Ostensivas Táticas Metropolitanas (Rotam), do Batalhão de Ações de Cães (Bac), da Coordenadoria de Operações e Recursos Especiais (CORE) e duas aeronaves do Grupamento Aéreo de Segurança Pública do Pará (Graesp) se deslocaram para dar apoio a Cametá. De acordo com a secretaria, não houve mortos ou feridos.

Leia também

'Foram disparados mais de 500 tiros', afirma morador de Criciúma sobre madrugada de assalto

Polícia prende homens com R$ 810 mil deixados nas ruas pelos assaltantes em Criciúma

Não temos condições de oferecer segurança aos cidadãos, afirma prefeito de Criciúma

Na noite de ontem, cerca de 50 criminosos participaram da ação em Criciúma e assaltaram a agência do Banco do Brasil. Nenhum suspeito foi preso. Embora as ações sejam muito semelhantes, não é possível afirmar que o mesmo grupo criminoso coordenou os dois assaltos. Esse tipo de ação, como informou o tenente-coronel Dmitri, do 9º BPM de Criciúma, é denominada “novo cangaço“. Os bandidos sitiam a cidade, fazem barricadas em volta para dificultar a ação da polícia e atacam as bases locais das forças de segurança. Em vídeos e publicações nas redes sociais, moradores disseram que o Batalhão da Polícia foi alvo de ataques, mas a Segup não confirmou a informação.

 

Comunicar erro

Comentários