Investigação sem precedentes pode fechar 76 mesquitas na França

Por Jovem Pan em 03/12/2020 às 14:53:18

Nesta quinta-feira, 3, o Ministério do Interior da França anunciou uma série de medidas sem precedentes para combater o que está sendo chamado de “extremismo religioso”. Pelo menos 76 mesquitas do país serão investigadas por suspeitas de “separatismo” e poderão ser fechadas caso as acusações se confirmem. Além disso, 66 imigrantes sem documentos suspeitos de “radicalismo” já foram deportados da França. As declarações foram feitas pelo ministro Gerald Darmanin durante uma entrevista à rádio RTL, que ele compartilhou em sua página oficial no Twitter. Desde o início do governo de Emmanuel Macron em 2017, 43 templos islâmicos já foram fechados no país, postura que alguns críticos consideram ser anti-muçulmana.

A França, que é casa da maior população muçulmana da Europa, foi alvo de uma série de atentados terroristas nos últimos meses. Uma das primeiras ocorrências foi um ataque com facas próximo ao jornal Charlie Hebdo em setembro. No mês seguinte, houvea decapitação do professor Samuel Paty, que teria mostrado charges do profeta Maomé em sala de aula. A partir de então, o presidente Emmanuel Macron começou a responder aos atos com expulsões do paíse o fechamento temporário de uma mesquita. A postura causou revolta em diversos países árabes, onde foram feitas manifestações contra o chefe de governo francês, e também na Turquia, onde o presidente Recep Tayyip Erdogan incentivou um boicote aos produtos importados da França.

Leia também

Ex-presidente francês, Valéry Giscard d'Estaing morre vítima da Covid-19

Fechada há pouco mais de um mês, Torre Eiffel reabrirá no próximo dia 16

França vai reformular lei que limita divulgação de imagens de policiais

As medidas implementadas por Macon não pouparam a França de viver um dia de horror no final de outubro. Em poucas horas, houve um atentado com faca na Basílica de Nice, a prisão de um homem que portava uma lâmina em Lyon e a morte de outro indivíduo que ameaçou pessoas com uma arma em Avignon, além de um ataque ao consulado da França na Arábia Saudita. Em novembro, aconteceu um outro atentado na Arábia Saudita: o Estado Islâmico lançou bombas em um evento que contava com a presença do cônsul da França, entre outros diplomatas europeus.

Comunicar erro

Comentários