Jogador de futebol detido no Ceará por agredir e prender a namorada em casa já responde por lesão corporal

Casal mantinha contato por redes sociais até a jovem viajar da Bahia ao Ceará para passar uma temporada com o atleta. Ela foi salva das agressões após uma amiga saber das agressões e denunciar à polícia.

Por Redação Rede Ilha FM, com informações do G1 Bahia em 24/11/2021 às 07:45:47
(Foto: Divulgação/SSP-CE)

(Foto: Divulgação/SSP-CE)

O jogador de futebol de 28 anos preso suspeito de agredir e manter a namorada em cárcere privado em Fortaleza já respondia por lesão corporal, segundo informações da Secretaria de Segurança Pública. A vítima disse a uma amiga pelo WhatsApp que era agredida, mensagem usada para denunciar o caso à polícia. O atleta não teve a identidade revelada.

Ele foi autuado em flagrante por cárcere privado, lesão corporal e injúria real, no âmbito da violência doméstica e familiar. Já a vítima retornou para a cidade onde reside na Bahia.

O jogador cearense já atuou pelo Náutico (PE), Ituano (SP) e Juazeiro (BA), mas atualmente está sem contrato.

Em mensagens enviadas pelo celular, a vítima descreveu a situação para uma amiga, que acionou a polícia.

Como eu saio daqui? Ele fica em casa o dia todo. Eu preciso de ajuda para sair daqui. Ele não me deixa sair. Se eu falar de ir, ele me espanca. Me ajude", disse em uma das mensagens.

Conforme a policial da Delegacia da Mulher Alessandra Guedes, a vítima conheceu o suspeito pelas elas redes sociais. Ela viajou da Bahia para o Ceará em 16 de novembro e ficou hospedada na casa do atleta, de onde era impedida de sair.

A polícia iniciou a investigação após receber uma ligação da amiga da vítima denunciado as agressões.

"Nós recebemos uma ligação da Bahia de uma amiga e nos relatou pedindo socorro para uma amiga dela; que ela tinha vindo do interior da Bahia para ficar um mês na casa do namorado, mas já estava alguns dias; que o namorado estava agredindo a amiga fisicamente e impedia que ela fosse embora", afirmou a delegada.

Celular monitorado

Ainda segundo Alessandra, o jogador monitorava o aparelho celular da garota e a agredia sempre que ela se preparava para voltar à Bahia.

"Sempre que ela pegava as roupas ou ajeitasse a mala, ele passava a ter comportamentos mais agressivos, e ela começou a ficar com muito medo que algo de pior acontecesse. Além de tudo, o homem ficava monitorando o celular dela. Não a deixava entrar em contato com outras pessoas."

Alessandra Guedes reforçou ainda que, ao chegar à residência do jogador, onde outras pessoas também moravam, uma mulher chegou a negar a presença do casal no local. Porém, os policiais insistiram e ele acabou saindo do cômodo onde estava com a vítima.

Abalada e crise de ansiedade

A delegada afirmou também que a jovem foi encontrada na residência "muito abalada" e relatou crises de ansiedade por conta das agressões.

"Ela estava muito abalada. Quando eu fui falar com ela, chorava bastante não parava de chorar, estava muito aflita. Disse que nesses últimos dias teve crise de ansiedade por conta que estava vivendo e que foi agredida. Expedimos guias para ela realizar corpo de delito que constatou duas lesões corporais".

Denúncias

A população pode contribuir com as investigações repassando informações que auxiliem os trabalhos policiais. As denúncias podem ser feitas para o número 181, o Disque-Denúncia da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), ou para o (85) 3101-0181, que é o número de WhatsApp, por onde podem ser feitas denúncias via mensagem, áudio, vídeo e fotografia.

As informações também podem ser encaminhadas para o telefone (85) 3108-2950, da Delegacia de Defesa da Mulher de Fortaleza.

Comunicar erro

Comentários